Seguidores

sábado, 10 de novembro de 2007

DECLARAÇÃO DE AMOR A GURUPI


No próximo dia 14 de novembro, Gurupi, no sul do Tocantins, chega aos 49 anos , mas com um corpinho de fazer inveja a muita dondoca adolescente.

É uma jovem senhora, reconheço, porém, mais jovem do que senhora, ou melhor, senhora do meu destino e de muita gente que por aqui vive.

Apesar de uns buraquinhos aqui outros acolá (coisa que se pode consertar), essa menina tá com um corpinho bem enxuto. Não foi preciso ainda fazer uma lipo, mas há que quem defenda a colocação de silicone em pontos estratégicos.

Intriga da posição. Gurupi vai muito bem, obrigado. Como eu a amo, (e amo de paixão. Minha visão apaixonada me deixa praticamente míope para não enxergar seus defeitos.

Enxergar pra quê? Quem ama verdadeiramente, só enxerga qualidade em quem se ama.

Tá bom! Tá bom!

Confesso: é um amor platônico. Também pudera, quis Deus que eu nascesse poeta. E os poetas, quando apaixonados, são platônicos. (E eu não fui excessão à regra, apesar de não saber quem a inventou)

Êta Gurupi faceira, festeira, carnavalesqueira, poeteira e tantos eiras que já me fogem à lembrança e me deixam sem beira.

Gurupi também é materneira (e não é brincadeira). A cidade é tal qual o coração de mãe: sempre cabe mais um. E não é que há vinte e tantos anos ela me adotou com mais um de seus filhos diletos?

O mesmo aconteceu com muita gente que aqui chegou, acabou fincando raízes, deu frutos e hoje fala com orgulho sobre a paixão se ser gurupiense.

E por falar nisso, esta cidade me ensinou que ser gurupiense é um estado de espírito, já que ela por si só nos dá ânimo para seguirmos em frente em nossas jornadas.

Aprendi que ser gurupiense, verdadeiramente, é ter esperança. É acreditar que mesmo nas dificuldades, dias melhores virão, pois o melhor de Gurupi é a sua gente. (Zacarias Martins)

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

SERIA CÔMICO SE NÃO FOSSE TRISTE

VAMOS DESDEFUNTIZAR O CENTRO CULTURAL

Infelizmente, não foi desta vez. E a classe artística gurupiense está literalmente de luto. Está morto o espaço destinado à cultura e as artes em Gurupi. Em seu lugar, o que se vê, agora, é somente a arte mórbida afugentando a alegria antes reinante no centro Cultural Mauro Cunha.
Ao contrário do que se esperava, a triste fama de Defuntódromo, como o Centro Cultural Mauro Cunha ficou conhecido, não está com os seus dias contados. O poder público municipal parece que não está sensível aos apelos da classe artística que condena veemente a transformação do Centro Cultural Mauro Cunha em Capela Mortuária, fato que paralisa todas as atividades culturais ali realizadas, até mesmo o funcionamento da Biblioteca Pública Municipal Professora Deusina.
Em abril deste ano, cogitou-se uma parceria com a Maçonaria para que fosse criada o que seria a primeira casa de velórios de Gurupi. Funcionaria nas antigas instalações da Loja Maçônica da Avenida Santa Catarina. O projeto era arrojado (pra defunto nenhum botar defeito). Lá, finalmente, os nossos mortos poderiam ser velados em paz, sem que fosse preciso interromper as atividades artísticas e administrativas do Centro Cultural. Mas a tal Casa de Velórios não saiu do papel até agora e, infelizmente, predomina na cidade a "cultura" de se velar mortos num ambiente destinado à alegria, como o Centro Cultural.
Também em abril desde ano, o próprio Conselho Municipal de Cultura aprovou, por unanimidade, uma resolução se colocando contrário a realização de velórios no Centro Cultural, mas de nada adiantou.
Para a surpresa da classe artística, no sábado passado, o salão principal do Centro Cultural, onde também funciona a Galeria de Artes Kathie Tejeda, amanheceu mais uma vez com um morto sendo velado naquele local. Quero crer que para cada velório ali realizado, certamente o saudoso Mauro Cunha (que ao morrer não foi velado ali), deve se revirar no caixão onde foi enterrado (ou do que restou dele), pois como grande artista que era jamais aprovaria que o Centro Cultural fosse usado para velar os mortos, já que entendia que a cultura é arte e arte é vida. Para quem não conhecia a triste fama de Defuntódromo do Centro Cultural chegava a ser estranho, até, o fato de num dia, ao se passar pelo local, se ver um monte de pessoas tristes e um morto bem no meio do salão. Já no dia seguinte, no mesmo local, se via um grupo de Street Funk ensaiando uma coreografia, ou mesmo a Banda Municipal tocando lindas marchinhas carnavalescas sob a batuta do maestro Alexandre.
Para se ter uma vaga idéia de como o Centro Cultural Mauro Cunha ainda é visto por muitos como Casa de Velórios, na manhã do dia 30 de março, quando ali acontecia uma reunião dos artistas com o presidente da Fundação Cultural do Tocantins, Júlio César Machado e o diplomata francês, Romaric Büel, ao ver toda aquela movimentação, pelo menos três pessoas haviam entrado ali para ver quem "havia morrido!"
Com todo o respeito aos familiares dos mortos, mas convenhamos, o Centro Cultural Mauro Cunha não é um local apropriado para velórios, a menos, que seja um velório artístico, bem alegre, descontraído com direito a aplausos calorosos após um final feliz, tudo, é claro, com a aquiescência do maior interessado: o falecido!
Diante dessas despretensiosas considerações, é com veemência que defendo a imediata desdefuntação do Centro Cultural Mauro Cunha.

terça-feira, 11 de setembro de 2007

ANA MÁRCIA PARTICIPA DE ANTOLOGIA NACIONAL





Com o poema "Sem querer", a poeta Ana Márcia Barros, residente em Gurupi, está participando da Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos – Volume 38, lançada esta semana pela Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE ), do Rio de Janeiro. Ana Márcia é titular da Academia Gurupiense de Letras.

Para produzir a obra, a CBJE avaliou centenas de trabalhos de autores de todo o país, sendo selecionados 67 que refletem, no seu conjunto, o atual momento da arte poética brasileira.

De acordo com Georges Martins, editor-executivo da CBJE, procurou-se reunir poetas de todas as idades e regiões, tendo sido mesclados temas e estilos dos mais diversos de forma a dar um caráter bastante abrangente a esta antologia.


PERFIL DA AUTORA
Ana Márcia Barros é natural de Goiânia (GO), onde nasceu aos 18 dias do mês de outubro de 1965. Poeta autodidata, estreou oficialmente no mundo da literatura, em meados de 1998, quando participou da Antologia Literária Internacional Del'Secchi, organizada em Vassouras (RJ), por Roberto de Castro Del'Secch. Nesse mesmo ano, participou da Antologia Mensageiro em Prosa & Verso, publicada em Porto Alegre (RS), pelo editor Arthur Filho. Já em 1999, participou do livro 2º Encontro de Escritores, publicado pela Livraria e Editora Borkc, da cidade gaúcha de São Luiz Gonzaga. Também nesse mesmo ano, teve trabalhos inseridos no primeiro volume da Antologia Literária da Universidade do Paraná - Unipar e no Anuário de Poetas e Escritores de Gurupi. É verbete no Dicionário Biobibliográfico de Autores Brasileiros Contemporâneos, publicado em 1997 em Teresina (PI), sob a organização de Adrião Neto, da Academia Piauiense de Letras. Também se encontra presente no Endereçário Cultural, publicado em Santa Catarina pelo ativista cultural Abel Pereira. É titular da Academia Gurupiense de Letras, onde ocupa a Cadeira de nº 5. Pertence ainda, a Academia Petropolitana de Poesia Raul de Leoni (RJ), Associação de Escritores do Amazonas, Casa do Poeta Belmiro Braga, de Juiz de Fora (MG), Casa do Poeta e do Escritor de Ribeiro Preto (SP) e Sociedade de Cultura Latina do Brasil. Integrou o Colégio Eleitoral do Prêmio Multicultural Estadão 2000. É autora do livro Caminhos (poesias), publicado em 2000.

sexta-feira, 7 de setembro de 2007


Gurupiense presente no Almanaque Santo Antônio

Mais uma vez o poeta e jornalista tocantinense Zacarias Martins está presente no Almanaque Santo Antônio - 2008, da Editora Vozes, que acaba de ser lançado nacionalmente. A publicação se tornou um dos almanaques mais tradicionais do país. É informativo, divertido e gostoso de ser ler. Traz dicas úteis para facilitar a vida e ainda, calendários, histórias, mensagens, recreação e curiosidades.

Martins explica que há 30 anos o livro é publicado com sucesso garantido de vendas. O motivo desse sucesso, segundo ele, é que se trata-se de uma espécie de mini-biblioteca. "No Almanaque Santo Antônio o leitor vai encontrar de tudo um pouco: curiosidades, datas comemorativas, dicas de culinária, noções de ecologia, educação, folclore, passatempo, saúde, além de fatos que marcara a história brasileira e universal e muito mais", afirma, creditando a boa aceitação da publicação por parte dos leitores devido suas mensagens serem apresentadas em linguagem lúdica e de fácil assimilação.
Nesta edição, Zacarias Martins colabora com o texto "Abolição decidida no Senado", registrando que estimulado pelo movimento abolicionista e pelo chefe do Gabinete Ministerial, senador João Alfredo Correia de Oliveira, o fim da escravatura no Brasil foi decidido no Senado. O projeto de lei da abolição tramitou rapidamente na Casa e a Lei Áurea foi assinada pela Princesa Isabel no dia 13 de maio de 1888.

Publicado no Jornal Mesa de Bar News - 06/09/2007
Gurupi/TO.

quarta-feira, 5 de setembro de 2007



AGL
Entidade terá dois novos imortais correspondentes

Estão abertas as inscrições para duas vagas para membros correspondentes da Academia Gurupiense de Letras (AGL). As inscrições poderão ser realizadas até o dia 1º de outubro.
Podem concorrer às vagas, escritores com livros publicados e que não residam em Gurupi, enviando ofício acompanhado de currículo vitae, breve biografia literária, livros publicados e recortes de jornais, com matérias publicadas sobre suas obras. Os documentos deverão ser encaminhados para o Caixa Postal 35, CEP: 77402-970 - Gurupi e a inscrição é gratuita.
A AGL deve se reunir, provavelmente, até 15 de outubro para escolher seus dois novos membros correspondentes e a posse está prevista para ocorrer na festa de aniversário da entidade, que será realizada em novembro.
Atualmente, a AGL tem cerca de 23 membros efetivos e seis membros correspondentes, um em São Paulo, outro em Santa Catarina e um no Rio Grande do Sul, além de três no Tocantins.
Mais informações com o secretário executivo da AGL, Zacarias Martins, pelo telefone (63) 8413-2151
Fonte: Leilane Macedo/Jornal do Tocantins

CORAL TOCANTO FARÁ APRESENTAÇÃO
EM FESTIVAL INTERNACIONAL


Foto: Cláudio Roberto - Ascom/Unirg


O Coral Tocanto, da Casa de Cultura da Fundação Unirg, estará participando de 26 a 30 deste mês, do ENCORAL 2007 - Encontro Internacional de Coros, em Maceió (AL), sob o tema - Nordeste: Um canto vivo do Brasil! . O ENCORAL é um Festival reconhecido pelo seu alto nível das participações musicais brasileiras e convidados internacionais.

De acordo com a regente do coral , Mira Benvenuto, o Tocanto vem se preparando desde o início do ano, quando recebeu o convite pela organização do Festival. O ENCORAL tem como objetivo maior divulgar os Coros Brasileiros e os trabalhos de Coros Internacionais, incentivando, ampliando e estimulando o movimento de Canto Coral nas Instituições Públicas e Privadas do Brasil.

Para Mira Benvenuto, o fato do Coral Tocanto ter sido convidado a participar deste evento se constitui em motivo de grande honra e reconhecimento do trabalho já desenvolvido há nove anos. Além da participação oficial no Teatro Gustavo Leite, em Maceió, o Tocanto se apresentará também nas cidades vizinhas de Marechal Deodoro, Arapiraca e Coruripe.

Hoje o Coral Tocanto conta com 20 componentes, entre eles músicos profissionais, professores da Casa de Cultura da UNIRG. São eles: Moisés Ribeiro (Flautista), Nilson Meireles (violonista), Andrea Santana (pianista), Mira Benvenuto (Regente), Cristiano Cabral (Ator convidado ), e demais músicos convidados, são eles Antônio Belarmino (Trombonista), Leila Theóplilo (Pianista e Cantora), Carla Valéria (Cantora).

O Coral Tocanto se apresentará com um repertório eclético entre o clássico, popular e o regional. Algumas músicas do repertório, constam de Glória in Excelsis Deo (Mozart), Lata D'água na Cabeça (Marcos Leite), Passarim do Jalapão (Dorivã), Sob o Peso da Cangalha (Gilson Cavalcante ePaulo Albuquerque) dentre outras. Esta participação em Maceió tem o patrocínio da Fundação UNIRG e o apóio da deputada estadual Josi Nunes (PMDB), que não estão medindo esforços para viabilizar a participação de todos os integrantes. Nesse importante evento.
(Zacarias Martins)

sábado, 28 de julho de 2007

QUESTÃO DE FELICIDADE



Procura-se a felicidade
para destrancar as portas
dos corações desesperançados.

Procura-se a felicidade
para entrega-la gratuitamente
àquelas pessoas que acreditam
que podem simplesmente comprá-la
a qualquer preço.

Procura-se a felicidade
para adoçar os lábios dos sorrisos amargos
e dar mais sentido a arte de viver.

Procura-se a felicidade
para leva-la principalmente,
para quem não acredita mais na sua existência

Procura-se a felicidade...
Não, não procure mais.
Apenas deixe que ela faça parte de sua vida...
Não fuja dela.

E,
se acaso você não acreditar
que a felicidade existe,
não tem problema:
procure ser feliz sem ela.

sábado, 21 de julho de 2007


COM QUE CARA?
Zacarias Martins
Tem gente que não tem jeito.
Precisa urgentemente mudar.
Faz tudo sempre errado
e acha que certo está.

Eu já não sei mais o que fazer
com gente como essa:
suja a nossa cidade
e acha que é legal à beça.

A sujeira já é tamanha
como tamanha é a ignorância.
Você sabia que cidade limpa
É coisa de muita importância?

Colabore com a limpeza
Mostre que tem boa educação.
Olhe só a cara lambida
de quem joga lixo no chão:


terça-feira, 17 de julho de 2007


Aluna da Fundação Bradesco vence o 50º Concurso
Cientistas de Amanhã


A aluna Salomidh Pereira Passarinho (foto), da terceira série do Ensino Médio do Curso Técnico em Agropecuária, da Escola de Canuanã, da Fundação Bradesco, em Formoso do Araguaia, sob a orientação de sua professora, a veterinária Jefferlene Silva de Almeida, venceu o 50º Concurso Cientistas do Amanhã, com o projeto "Análise da ação cicatrizante da mangabeira em bovinos", promovido pelo Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura - IBECC/UNESCO, em Belém do Pará. Como prêmio ela ganhou uma viagem para Barcelona.

O concurso tem por objetivo despertar e incentivar nos jovens o interesse pela Pesquisa Científica e conta com o patrocínio da Fundação Oswaldo Cruz, do Ministério do Meio Ambiente e do Ministério da Educação, para a realização das premiações, além do CNPq e da UNESCO, para as despesas de execução do concurso.

De acordo com o diretor de Ensino da Escola de Canuanã, Ricardo Rehder Garcia de Figueiredo, o projeto foi desenvolvido para analisar a ação cicatrizante das folhas da mangabeira em feridas e umbigo de bovinos recém nascidos, comparado ao uso de medicamentos convencionais, tendo-se obtido bons resultados.
Ainda de acordo com Ricardo Rehder foram inscritos 66 projetos, sendo que dez se classificaram para apresentação, em Belém, destes, dois são de alunos da rede de ensino da Fundação Bradesco: um da Escola de Canuanã, no estado do Tocantins e o outro, da Escola do Jardim Conceição, de Osasco (SP).

(Zacarias Martins)

segunda-feira, 16 de julho de 2007

COM QUE CARA?

Zacarias Martins

Tem gente que não tem jeito.
Precisa urgentemente mudar.
Faz tudo sempre errado
e acha que certo está.

Eu já não sei mais o que fazer
Com gente como essa:
Suja a nossa cidade
E acha que é legal à beça.

A sujeira já é tamanha
como tamanha é a ignorância.
Você sabia que cidade limpa
É coisa de muita importância.

Colabore com a limpeza
Mostre que tem boa educação.
Olhe só a cara lambida
de quem joga lixo no chão:






quinta-feira, 12 de julho de 2007


A ALQUIMIA POÉTICA
DE ZACARIAS MARTINS

POR NELSON HOFFMANN
As Letras deram-me um amigo a quem chamo de irmão: o Mano Zaca. Ele mora em Gurupi, Estado do Tocantins, e é um cara agitado, parece que nunca pára quieto. Ou, talvez melhor, está sempre em todos os lugares, comparece em todas as frentes, tudo ao mesmo tempo, é um ubíquo... É possível ser ubíquo? Se é, o Mano Zaca é. O nome é Zacarias Martins e ele vem da distante cidade de Belém do Grão-Pará. Radicado há mais de vinte anos em Tocantins, é figura presente em todos os eventos culturais surgidos e realizados neste Estado.

No próximo dia 27, Zacarias Martins estará lançando o livro “Pinga-Fogo”, às 20 horas, no Centro Cultural Mauro Cunha, em Gurupi, como parte das comemorações alusivas aos cinco anos de fundação da Academia Gurupiense de Letras, da qual é vice-presidente. É fácil desconfiar que a maior parte da obra de Zacarias Martins é obra esparsa, distribuída por jornais, revistas, antologias, folders e avulsos outros. O quase difícil é acreditar que, ainda assim, ele já tenha boa obra poética solo publicada, da qual se pode destacar “Transas do Coração”, “O Poeta de Belém”, “Poetar”,O Profeta da Felicidade” e “Vox Versus”. Além disso, há reportagens, festivais, shows, CDs; tudo por ele realizado, com ele à frente ou com destaque forte de sua participação.

A poesia de Zacarias Martins é simples, singela, e aborda o cotidiano de todos nós. Não inova, não traz novidades, embora, por vezes, surpreenda com verdadeiros achados. “O Aniversário” é um caso típico. A gente lê o pequeno poema e acompanha a declaração que é tão comum: os cumprimentos natalícios para uma pessoa querida. De repente, a surpresa: a pessoa querida é... a máquina de escrever. Só então a gente se dá conta: o autor é um escritor.

Mas o detalhe que mais assoma, se destaca em alto grau, é o lado irônico, debochado até, da escritura de Zacarias Martins. Não um deboche no sentido de ofender, machucar, mas no sentido de provocar o riso, demonstrar o ridículo de certas atitudes, tipos ou ações humanas. É a caricatura plena, no que o autor é mestre. Nesse sentido, por exemplo, é de se ler e reler o “Decálogo do Bom Político”. O agir dos nossos políticos, a fala, os gestos, o modo de ser, tudo está ali, em síntese, sem tirar nem pôr, provocando risos do começo ao fim, desvendando a artificialidade e, assim, sugerindo reflexões sobre a verdadeira e honesta prática política. Ridicularizar ainda é um bom caminho para a correção.

Mais que tudo, porém, Zacarias Martins é um ativista cultural. Em tudo o que realiza e faz, ele provoca e agita. Não pára quieto, eu já disse, é um agito só. Onde há sinal de alguma possibilidade intelectual, ou de sua manifestação, lá está ele. Em não havendo, provoca-a. Afirmo isso, pois que tenho lhe acompanhado as andanças por escolas, clubes, academias. Tudo é pouco.

Este é o lado que mais me impressiona. Sou parado, quieto, recluso. Perdi arroubos, desencantei-me. Mas não deixei de admirar quem aos arroubos se entrega. Isto me impressiona e admira de tal modo que, em outra ocasião, já escrevi sobre Zacarias Martins. Sua atividade e sua espontaneidade estão fazendo com que Gurupi e o jovem Estado do Tocantins se tornem mais conhecidos por este Brasil afora.

É assim. Falou Cultura, lá está o Zacarias... o Mano Zaca. Não importa o chão, não importa o ângulo, não importa o prisma, nem o lugar; mas o Tocantins em primeiro. (Nelson Hoffmann)Publicado no jornal

"O Girassol", de Palmas (TO), edição de 17/11/2004

terça-feira, 10 de julho de 2007


TOCANTINENSES TÊM TEXTOS TRADUZIDOS PARA O ESPERANTO


Os tocantinenses Conceição Rodrigues, Pedro Tierra e Zacarias Martins tiveram textos selecionados para representar o Tocantins na antologia literária " Poesias escolhidas do Brazila Esperanta Parnaso " (Parnaso Brasileiro de Esperanto), coordenada pelo poeta e professor Sylla Chaves e pela poeta Neide Barros Rêgo. A obra será lançada nesta quarta-feira, dia 11 , na Sala Zamenhof, da SUESC - Sociedade Unificada de Ensino Superior e Cultura, no Rio de Janeiro.

A antologia reúne trabalhos traduzidos para o Esperanto de 178 autores de todos os estados do Brasil e do Distrito Federal. Seu lançamento integra a movimentada programação do 42º Congresso Brasileiro de Esperanto, que começou no domingo, 08, e vai até sexta-feira, 13, com o tema "Cem anos de movimento esperantista no Brasil: estratégias para o futuro".

De acordo com Zacarias Martins, no evento estão reunidos esperantistas de todo o Brasil, e estão sendo realizadas palestras, seminários, exposições de artes, apresentações musicais, além de atividades voltadas para os públicos jovem e infantil. "Também estão sendo avaliadas as iniciativas de divulgação do Idioma Internacional Neutro e traçadas novas metas para a ampliação desse trabalho em todo o território nacional", explica Martins, ressaltando que este Congresso é de grande importância histórica, pois está sendo realizado juntamente com ele o 21º Congresso da Juventude Esperantista Brasileira.

PERFIL DOS ORGANIZADORES

Sylla Chaves é mestre em comunicação pela Universidade de Stanford (EUA). Durante vários anos trabalhou no Secretariado da ONU, em Nova Iorque, e no da Unesco em Paris. É professor titular de comunicação e informática na Fundação Getúlio Vargas (Rio de Janeiro). Como escritor em Esperanto, já ganhou diversos prêmios literários e contribuiu para diversas antologias. Foi presidente da Liga Brasileira de Esperanto, e é hoje membro da Academia Internacional de Ciências de San Marino e da Academia Internacional de Esperanto.

Neide Barros Rego é professora, poetisa, declamadora, esperantista. Estuda Canto Lírico. Diplomada em Arte de Dizer pelo Curso Olavo Bilac, dirigido por Maria Sabina, no Rio de Janeiro. Fundou e dirige, desde 1961, o Centro Cultural Maria Sabina, onde ministra aulas de Arte de Dizer e realiza eventos lítero-musicais. Figura em mais de noventa antologias no Brasil, em Portugal e na Itália. Possui trabalhos em Revistas de Esperanto, do Brasil e da Bulgária.

quinta-feira, 5 de julho de 2007

PROJETO EDUCACIONAL BUSCA DESPERTAR O PRAZER PELA LEITURA



Foto: Cláudio Roberto/2006
Considerando que o incentivo à leitura é primordial ao desenvolvimento humano, a Secretaria Municipal de Educação e Desporto de Gurupi, no Estado de Tocantins lança o Projeto Quem conta um conto... aumenta um ponto, nas escolas da rede municipal de ensino, com o objetivo de desenvolver o prazer pela leitura e transmitir esse gosto para outras crianças.

A secretária municipal de Educação, Maria Aparecida Ribeiro Lima Cezar, disse esperar com este propósito, fazer da leitura uma atividade prazerosa, fonte de aprendizagem e amadurecimento, que incite o senso crítico dos alunos e os levem à reflexão e, conseqüentemente, à maneira mais adequada de se expressar, pois acredita que quando a garotada lê bem (e compreende o que lê) tem mais chance de sucesso.

As ações contidas no projeto serão executadas pelas escolas durante todo este ano, e uma delas, será desenvolvida no próximo dia 20 de abril, quando se comemora o Dia do Livro.

ESTATÍSTICAS

Os dados estatísticos apontam uma triste realidade: as crianças de sete anos que cursaram as classes de alfabetização estão ingressando na primeira série regular sem terem despertado para o prazer da leitura. Não é só isto, cerca 50 % dos alunos que concluíram a quarta série e participaram do SAEB (Sistema da Avaliação do Ensino Básico ), não sabem ler, apenas decifram códigos lingüísticos , sendo incapazes de interpretar um texto simples.

Para a secretária de Educação, esta constatação é triste e preocupante, porém, ressalta que não podemos esquecer que a tarefa de formar bons leitores é uma responsabilidade nossa, enquanto pais e educadores.

“É fundamental aos professores que estão trabalhando com essas crianças tenham consciência do valor da literatura infantil na alfabetização”, afirma a secretária. O observa que se a criança for incentivada na idade adequada e se fizermos da leitura um momento mágico e prazeroso, utilizando o universo das historias infantis, a criança será transportada para um mundo encantado e ao mesmo tempo real e estará desenvolvendo a linguagem , o raciocínio, a imaginação, a auto-estima, a interação social e principalmente estará despertando para a leitura.

GANHANDO O MUNDO
A criança que ouve historias, seja contada, lida ou dramatizada, que tem contato com livros, revistas, fantoches, fantasias, cartazes ou seja , que participa de um ambiente alfabetizador criado pelos pais, parentes e professores, automaticamente estará sendo incentivada a ler, recontar e criar historias e terá muito mais chance de se apaixonar pela leitura.

“Assim a alfabetização não será um processo doloroso, mas prazeroso. Ser um bom leitor não será uma imposição, mas uma opção. Criar não será difícil, pois a mente estará cheia de idéias. Então a criança levará as historias para fora da sala de aula e ganhará o mundo contando os contos e aumentando os pontos. E nós estaremos mudando a triste realidade”, conclui a secretária.

BREVE HISTÓRIA DE GURUPI






O Município de Gurupi se encontra localizado ao sul do Estado do Tocantins a 245 km de Palmas, capital do Estado, e a 742 km de Brasília-DF. Fica no limite divisório de águas dos rios Araguaia e Tocantins, ás margens da BR-153, no quilômetro 663 no sentido Brasília a Belém; entre os Paralelos 11 e 12.

Prefeito: João Lisboa da Cruz (eleito pelo PSDB, depois se filiou ao PPS e hoje (Julho/2007, está sem partido)- mandato 2005-2008

Limites e Confrontações:
Norte: Aliança do Tocantins
Sul: Cariri do Tocantins e Sucupira
Oeste: Dueré
Leste: Peixe
População: 71.413 habitantes (2005/IBGE)

Área:

A área do município de Gurupi é de 1.836 km².

Relevo:
O relevo do município de Gurupi é plano, mais ou menos ondulado, com altitude de 400m na sede. O solo é fértil, favorecendo o cultivo e a criação de gado. Apresenta a serra de Santo Antonio, Taipoca e outras.

Vegetação:
No município de Gurupi há predominância de dois tipos de vegetação: campos e cerrados e pequenas florestas.

Clima:
O clima é tropical megatérmico. Quente e úmido durante todo o ano, com período chuvoso entre os meses de Outubro e Abril e estiagem entre os meses de Maio a Setembro. A temperatura média anual de Gurupi permanece em torno de 35°.

Flora e fauna:
Há pequenas florestas que fornecem madeiras como jatobá, peroba, ipê, aroeira, e outras. A fauna se encontra limitada, mais ainda podem ser vistos animais selvagens como veados, tatus, macacos, emas e variedade de aves e insetos.

TOPÔNIO
De acordo com o historiador Adauto Cordeiro Cavalcante, no seu livro “Gurupi”, edição UFG, 1968, etimologicamente Gurupi significa ’’diamante puro’’, que é originário da língua Tupi do (língua bela) idioma falado por todos os índios da América Meridional e constitui-se por dois elementos básicos: “guru” (diamante) e “pi” (pé, caminho, base, origem, puro).

A INSTALAÇÃO DO MUNICÍPIO
A emancipação do município por força da Lei Estadual número 2.140, de 14 de novembro de 1958. O município foi instalado em 1º de janeiro de 1959, em sessão solene presidida pelo Juiz de Direito Feliciano Machado Braga, um dos principais articuladores da luta separatista do então norte de Goiás.

NAS MARCAS DO TEMPO

É impossível falar de Gurupi, sem associá-la à BR-153. Isso porque a história da cidade está intimamente ligada a construção da Belém-Brasília, marco do surgimento e desenvolvimento de muitas outras cidades, ao longo de sua extensão no antigo Norte goiano.

Dados históricos dão conta, que o fundador de Gurupi, Benjamim Rodrigues chegou a procurar o engenheiro da rodovia Bernardo Sayão, em Goiânia, para uma exposição de motivos de a mesma cortar as férteis terras recém-habitadas pela sua família, e outros aventureiros.

A instalação definitiva do fundador de Gurupi na região se deu em 1952, ocasião em que concluiu a picada da rodovia projetada por Bernardo Sayão, até a estrada que ligava a cidade de Peixe a Porangatu; fez todo o levantamento da planta da cidade e construiu o primeiro comércio de Gurupi. A partir daí a paisagem do agreste foi dando lugar aos barracos de taipa dos novos moradores de varias outras localidades. A notícia do primeiro caminhão ao local já denominado de Gurupi é de setembro do mesmo ano, de propriedade do senhor Buta, que veio abastecer o comércio de Benjamim Rodrigues. A vocação para o comércio começou a partir desta data, e em pouco tempo a notícia se espalhou pelas regiões mais distantes e com isso, atraiu interesses de moradores de outras localidades, como Porto Nacional, Peixe, Cristalândia, Dueré e Formoso do Araguaia.

Em 1954, com a invasão das matas mais próximas ao povoado, foram lançadas as primeiras raízes para a formação de uma base agropecuária, destinada a dar vida própria ao local. Até então os moradores compravam arroz e outros alimentos em Cristalândia. Neste mesmo ano é rezada a primeira missa, pelo Bispo Dom Alano, de Porto Nacional e iniciado o alicerce para construção da primeira igreja, mais tarde denominada de Matriz de Santo Antônio.

Em poucos anos de povoamento do local, já era visível o progresso nos ramos da agricultura, pecuária, e a abundante colheita de cereais transformou o povoado em um pequeno pólo exportador. Em 1955, por sugestão de um dos pioneiros houve a votação para escolha do padroeiro da cidade, Santo Antônio e, iniciado o movimento político no sentido de eleva-lo à categoria de distrito. No mesmo ano, o Bispo Dom Alano, auxiliado pelo engenheiro Bernardo Sayão, fundou a escola Paroquial. Foram iniciados ainda os primeiros serviços médicos, embora bastante rudimentares, providencias na época, além do primeiro consultório dentário.

Os próximos anos foram de muito progresso e, graças ao grande surto imigratório, o povoado passa à posição de distrito de Porto Nacional, que culmina com a sua emancipação política e instalação do município de Gurupi, em janeiro de 1959. Com isso expandem-se as construções, ruas, praças e avenidas, forçando cada vez mais a aceleração dos serviços de melhoramento urbano. O primeiro prefeito nomeado de Gurupi foi Melchiades Barros dos Santos, mais conhecido como “Doca Barros”. Para o cargo de primeiro juiz, foi nomeado Clemente Luiz de Barros.

No ano seguinte é instalada a Câmara Municipal com a posse dos vereadores Raimundo de Sousa Camelo(Presidente), Moisés Avelino Lustosa Brito, Joaquim Gomes de Oliveira (Ozico), João Manoel dos Santos (João Paraibano), Nelson Dias Fernandes, Francisco Santana e Antônio Luiz Leitão Brito.

Ainda em 1961, foi instalado o primeiro cartório do segundo oficio e realizada a primeira eleição para escolha do primeiro Francisco Henrique Santana e Luiz Brito Aguiar para vice. A partir daí, com o advento de firmas de maior porte, Gurupi desponta como uma das cidades mais progressistas do Norte de Goiás e assume o papel de liderança sobre as demais da região.


OS PREFEITOS DE GURUPI

Nomeados
Melchiades Barros – Administrou em 1959.
João de Souza Brito – Administrou em 1960.

Eleitos
Francisco Henrique de Santana - Esteve na prefeitura de 1961 a 1964.
Luiz Brito Aguiar – Era vice de de Francisco Henrique de Santana. Com a morte deste assumiu a Prefeitura até 1965.
João Manoel dos Santos – Administrou de 1966 a 1970.
Joaquim Pereira Costa – Foi prefeito pela primeira vez de 1970 a 1973 retornando à Prefeitura em 1978 onde ficou até 1983.
Manoel Ildon de Pina – Administrou Gurupi de 1974 a 1977.
Jacinto Nunes da Silva – de 1983 a 1988.
Adão Ferreira – Era presidente da Câmara de Gurupi quando Jacinto Nunes da Silva faleceu vítima de acidente automobilístico. Administrou a Prefeitura de outubro a dezembro de 1988.
João Lisboa da Cruz – 1989 a 1992.
Raimundo Aimar – 1993 – 1996
Tadeu Gonçalves – 1997 – 2000
João Lisboa da Cruz – 2001 – 2004, sendo reeleito para o mandato

A CIDADE DOS BENJAMINS
A passagem da Coluna Preste, ou os revoltosos, como eram conhecidos pela região, quebrou o silêncio e apressou o povoamento do Vale do Leste, e, conseqüentemente, das matas do Gurupi. Os ribeirinhos ou beradeiros da margem direita do Tocantins, aterrorizados com a chegada das tropas, fugiram, atravessando o caudaloso rio e se instalando nas margens esquerdas do Tocantins. Alguns embrenharam mata adentro, alcançando a serra do Santo Antônio. Mas não ousaram atravessar a tal serra, pois do outro lado pairava a ameaça do lendário Cacique Gurupi, índio destemido e valente, de tribo desconhecida, que dominava a região.

Entre o medo e o pavor, foram ficando, chefiados por Benjamim Carvalho de Lima, o Bião, vaqueiro forte e afeito aos gerais, aventureiro e destemido. Por onde passava, Bião e sua comitiva iam nomeando rios e riachos.
Encantado com a região resolveu se instalar às margens do Pouso do Meio, e desenvolver suas atividades agropecuárias.

O FUNDADOR
Outro Benjamim, mais famoso deles, próspero comerciante, acabou descobrindo o encanto das matas do Gurupi, onde resolveu instalar seu comércio e trazer a família. Abriu a golpe de machado estradas que tiraram precariamente o povoado do isolamento. Para assegurar o povoamento e o desenvolvimento, passou a distribuir terras.

Esforço recompensado, o povoado foi elevado a distrito em 1956 e emancipado dois anos depois, em 1958, tornando-se cidade.

Benjamim Rodrigues Nogueira (1900-1985), fundador da cidade de Gurupi, era um homem de estatura média, olhos castanhos – claros, pele clara-avermelhada, tostada pelo sol ardente dos trópicos, alegre, jovial e hospitaleiro. Era filho de José Rodrigues Nogueira e de Maria Batista Araújo Rodrigues e nasceu em 30 março de 1900, às margens do rio Tocantins, em Tocantinia, Estado do Tocantins. Faleceu aos 85 anos na cidade de Gurupi em 13 de agosto de 1985. Era casado com Eurídice Rodrigues Brito com quem teve os filhos Moacyr Rodrigues Brito, Edson Rodrigues Brito, Iraídes Rodrigues Brito, Maria de Lourdes Rodrigues Brito e Eurivan Rodrigues Brito.

Gurupi cresceu e se beneficiou com o esgotamento das jazidas cristalinas. Entre o fim da década de 40 e o início dos anos 50, as minas começaram a fechar, e os aventureiros e garimpeiros colocaram o pé na estrada. Gurupi era o destino final. Essa demanda populacional foi decisiva para a recém-emancipada cidade, que ganhou novo impulso com a construção da rodovia Belém-Brasília, BR-153.

CINE TEATRO BOA SORTE
Um empreendedor chamado Moises Lustosa Brito, rico faisqueiro dos garimpos de cristais, é tido como promotor do progresso gurupiense. Abriu estradas, comércios, gerou muitos empregos e divisas no município. Além desses negócios, montou o Cine teatro Boa Sorte, o primeiro cinema da cidade, incentivando a cultura, Moisés Brito foi um homem arrojado, e assegurou um salto no desenvolvimento de Gurupi.

ECONOMIA
Um bom roteiro para quem quiser confirmar a boa fase em que está vivendo a economia do município de Gurupi, cidade localizada na região Sul de Tocantins e administrada pelo prefeito João Lisboa da Cruz , pode ser realizado em poucas horas. No trevo do Parque Agroindustrial, por exemplo, existe grande base distribuidora de combustíveis, a Petrotins. Os trechos urbano e suburbano da rodovia BR-153 que corta a cidade virou um grande canteiro de obras. Vários empreendimentos se instalaram, como é o caso do Gurupi Auto Posto Décio, considerado o maior posto de serviços da região norte do país. Também foi construido na estrada que vai para Peixe foi construído um confinamento para mais de cem mil cabeças de gado, bem como, a instalação das empresas Noma Carrocerias, Distribuidora Coca-Cola, Disbrava Caminhões e Teti Caminhões, só para citar algumas. Ainda no Parque Agroindustrial está instalado a Cooperfrigu, que é o segundo maior frigorífico do Tocantins, exportando carne bovina para vários países.

MAIS ATRATIVOS

O Parque Agroindustrial de Gurupi (PAIG) também está recebendo vários benefícios, como a ampliação da rede de energia elétrica, iluminação pública, pavimentação asfáltica nos trechos que ainda não receberam esse benefício, bem como a construção de um Posto Policial. A atenção especial dispensada ao PAIG pela Prefeitura Gurupi, não visa apenas atrair novos empreendimentos, mas também, criar mecanismos que facilitem o desenvolvimento das empresas ali já instaladas. Incentivos fiscais e a doação de áreas para novos empreendimentos fazem parte da política de atrativos disponibilizados pela Prefeitura de Gurupi e que tem chamado a atenção de empresários de todo o Brasil.

Pólo universitário
Já nas proximidades do Conjunto Residencial Parque das Acácias foi construído o monumental campus da Faculdade Unirg (embrião da futura Universidade Regional de Gurupi). Hoje conta hoje com 15 cursos de graduação. Tem ainda a linha de transmissão da Usina de Peixe, que se encontra em construção. Saindo de Gurupi, a subestação de Furnas também está em obras. O aeroporto local recebeu iluminação noturna para facilitar pousos e decolagens de aeronaves pequenas e de médio porte à noite.

CULTURA EM DESTAQUE
A Fundação Cultural de Gurupi está localizada na Avenida Maranhão, 1507 – Centro – CEP: 77410-020 - Fone: (63) 3312-5767 – Fax: (63) 3315-0000. Funciona no horário das 08 às 12 e das 14 às 18 horas, exceto sábados, domingos e feriados.

Compõem o Complexo da Fundação Cultural de Gurupi o Centro Cultural Mauro Cunha, Cine Teatro (em implantação) e a Biblioteca Pública Municipal Professora Deusina Martins Ribeiro, com acervo de 10.360 livros. A biblioteca funciona no horário das 08 às 22 horas, de segunda às sextas-feiras.

No Centro Cultural Mauro Cunha existe um amplo salão para a realização de feiras, palestras, seminários, conferências, exposições de fotografias, artesanatos e artes plásticas, lançamento de livros, apresentações cênicas, de dança e musicais, dentre outros eventos. O Centro Cultural Mauro Cunha é o local para onde convergem os principais eventos culturais de Gurupi. Entre as principais atividades culturais realizadas naquele local, está o Coral Municipal Uirapuru e a Banda de Música Ciney Santos Miranda.

MOVIMENTO CULTURAL
Gurupi sempre se destacou pelo movimento cultural, unindo artistas das mais diferentes vertentes na realização de eventos culturais.

No campo das letras Gurupi também é destaque. Foi a primeira cidade do interior tocantinense a fundar, uma academia de literária. Trata-se da atuante Academia Gurupiense de Letras (fundada em 30/11/1999) pelos escritores Zacarias Martins e Gil Correia e que freqüentemente realiza saraus lítero-musicais, apóia e incentiva a realização de concursos e eventos literários, lançamentos de livros, além de incentivar, também o surgimento de novos talentos no mundo das letras.

A classe artística também está unida em torno da Associação de Artes de Gurupi, da Associação dos Músicos e Compositores de Gurupi, e do Clube do Samba. A cidade conta com um expressivo número de músicos, muitos dos quais, com CDs gravados e vencedores de festivais de música pelo Brasil afora.

Nas artes cênicas vários grupos são atuantes, mostrando o talento e a vitalidade de nossos artísticas com uma produção teatral vibrante e de qualidade. O mesmo ocorre nas artes plásticas, no artesanato, na dança de rua e em outras manifestações culturais.

__________________________________________________________
(Bibliografia consultada: O Jornal (Palmas/TO), Almanaque Cultural do Tocantins; Revista Perfil(Gurupi/TO), livro "Gurupi", de Adauto Cordeiro Cavalcanti, Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Gurupi e arquivos do autor)

AS RIQUEZAS NATURAIS DE GURUPI


Foto: Cláudio Roberto

Está sendo elaborado o Plano Diretor de Desenvolvimento Sustentável de Gurupi, em cumprimento ao que determina o Estatuto da Cidade. O Plano tem na coordenação geral o Chefe de Gabinete da Prefeitura, o administrador Divino Allan, e na coordenação técnica a professora mestre Ivany Coeli Leal Coragem.
Os trabalhos das equipes técnicas que estão levantando os dados do município de Gurupi para auxiliar na formatação do Ante-Projeto de Lei do Plano estão revelando uma Gurupi diversificada e cheia de surpresas.

Depois desta etapa de levantamentos de informações serão elaboradas oficinas e audiências públicas, previstas para serem realizadas a partir deste mês.

Neste ensaio iremos abordar o trabalho da equipe responsável pelos aspectos históricos, culturais, artísticos, paisagísticos, arqueológicos e turísticos do município. O tema é o potencial turístico. Naturalmente estamos pinçando os potenciais de mais destaque, que estão sendo catalogados para que você possa conhecê-los e até explorá-los futuramente.Gurupi possui tesouros naturais desconhecidos de grande parte da população.

A EQUIPE
A equipe de trabalho temático do Plano Diretor que está fazendo o levantamento dos recursos turísticos, patrimônio histórico e cultural vem descobrindo uma riqueza enorme que poderá oferecer à comunidade e visitantes uma variedade de opções de lazer e cultura.
O levantamento está sendo realizado sob o comando da professora universitária Lucirez Amaral, que é a atual presidente da Fundação Cultural de Gurupi, professores universitários Joel Pinho, Carmem Leal, Paulo Albuquerque e Maria Otília. Após minuciosa pesquisa de campo eles estão registrando e fazendo o estudo de cada localidade para posteriormente ser objeto de detalhamento no Plano Diretor de Desenvolvimento Sustentável de Gurupi.

O OBJETIVO
É claro que estas riquezas em sua maior parte permanecem intactas e ainda sem uma política de exploração sustentável, de maneira que possam render divisas para o município. A partir da radiografia que está sendo realizada ficará mais fácil traçar um planejamento para estabelecer uma política de exploração turística e assim poder firmar Gurupi neste mercado, que hoje é uma das principais alavancas de atração de capital. Mas enquanto os trabalhos continuam, vamos traçar uma radiografia do que está sendo descoberto e levantado em nosso território.
Vale a pena conhecer de perto e descobrir nosso município, afinal, moramos aqui e pouco conhecemos destas riquezas naturais.

GURUPI: PARAÍSO DAS ÁGUAS

Ao se dirigir para o sul da cidade a equipe se deparou com uma imensa e bela represa formada pelo córrego Água Franca, que foi por alguns anos o reservatório que abastecia Gurupi com água tratada. Após a mudança para outro reservatório o lago ficou praticamente abandonado, e hoje serve para atender algumas pessoas que se banham em suas águas para amenizar o forte calor. É um lugar muito bonito. Possui cerca de 30 hectares de lago, faz divisa com a BR-153 e se localiza entre os setores Jardins das Bandeiras e Valdir Lins e está situado quase que totalmente em área urbana.

Segundo informações da Prefeitura, existe um estudo para transformar o local no Parque da Cidade, com pista de caminhada, piscinas e bosque para que a comunidade possa ter um lugar aprazível à prática de esportes e lazer. Faça um teste, dê uma caminhada até o local para comprovar a beleza.

A equipe técnica também percorreu o córrego Pouso do Meio e verificou que apesar da degradação em grande parte de seu trecho, há uma intensa riqueza e variedade de árvores no leito ciliar. Existem ainda grandes poços e matas fechadas onde podem ser realizadas caminhadas e passeios ecológicos, muito comuns em nossos dias. O Córrego nasce acima da BR-153, corta parte da cidade e deságua no rio Gurupi.

O rio Gurupi também é um belo manancial. Formado pelas junções do Córrego Pouso do Meio e Água Franca, ele é o segundo maior manancial do município em volume de água. O primeiro é o Rio Santo Antônio. O Rio Gurupi fica distante cerca de 15 quilômetros da cidade e pode ser acessado por estradas municipais. A principal delas é na saída para o Peixe, no entroncamento Trevo da Larguinha, seguindo pela GUR-21. O Rio possui extensa vegetação em suas margens e pode ser percorrido em grande parte, oferecendo belos locais para banhos e caminhadas. A pesca predatória tem sido muito intensa naquele manancial, conforme dados das autoridades ambientais. Há, também, enormes clareiras, devido aos constantes acampamentos. Vários proprietários fazem as cercas chegarem até as margens do rio, para obrigar autorização de acesso.

Um outro rio importante no município é o Santo Antônio, que atua como limite territorial de Gurupi numa extensão de quase 50 quilômetros. É um rio médio e bastante visitado, principalmente por pescadores. Tem uma vegetação exuberante e nele vivem muitos peixes. Durante o verão suas águas se tornam mais rasas e algumas pequenas praias se destacam em suas margens, o que propicia acampamentos muito agradáveis. Pode-se chegar ao rio Santo Antônio após rodar 30 quilômetros na rodovia asfaltada que leva à cidade de Peixe (TO-280). Há acessos também entrando pelo trevo da Larguinha, seguindo pela GUR-21.

Ainda nos mananciais que o município possui, a equipe constatou a bela represa que atualmente serve de reservatório para abastecer a cidade. O lago é formado pelo represamento do córrego Bananal e possui cerca de 200 hectares, formando uma bela paisagem, distante cerca de 10 quilômetros de Gurupi. O acesso é pela GUR-32, saindo pela rua lateral à Vila São José. O lago é fechado para banho e para a pesca, mas conferir o belo pôr do sol com os raios refletidos na água é uma boa pedida.

O córrego Mato do Gado também é um pequeno córrego que abastece o rio Gurupi. Na chácara do Luizinho, próximo ao setor Vila Nova, existe uma represa que é aberta para a visitação pública. Vale a pena dar uma esticada no fim de semana e visitar o local. Tem serviço de bar e praia artificial.

Pois bem, água e mais água. A equipe técnica foi adiante e conheceu ainda o caudaloso e majestoso rio Tocantins em seu trecho que faz a divisa de Gurupi com o município de Peixe. Ainda é o trecho do rio que não foi afetado pelos lagos formados pelas hidrelétricas. Futuramente deverá estar coberto pelo lago da futura Usina de Ipueiras. Dois acessos são possíveis para chegar até suas margens. Um acesso pode ser feito pela GUR-21 saindo pela TO-280 (Peixe), entrando no trevo próximo a subestação de Furnas. Dali até a margem do rio são 80 quilômetros, passando pelo povoado Trevo do Tocantins, onde você pode dar uma parada para um descanso.

O Trevo do Tocantins, também conhecido como Trevo da Praia, é um pequeno povoado com cerca de 200 habitantes. Os moradores são hospitaleiros e conversando com eles você vai conhecer com mais profundidade a região. Um outro acesso é pela TO-365, saindo pelo Parque Agroindustrial de Gurupi, e a distância é a mesma: 80 quilômetros, passando também pelo Trevo do Tocantins.
No período que vai de julho a setembro é possível encontrar praias em suas margens e é um excelente programa para descanso. É um percurso mais demorado e que exige um tempo maior para a viagem. Nada que um fim de semana inteiro de prazer e aventura não resolva!

Algumas outras localidade que foram visitadas e levantadas pela equipe já possuem atividades e estrutura para visitação. É o caso dos chamados pesque e pague. Na TO-374, batizada de Juarez Moreira e que leva a Dueré, existe o Pesque Pague Tambaqui de propriedade de Anísio Inácio dos Reis, que possui vários tanques com espécies nativas (piaus, surubins, pacús) e espécies exóticas (tambaqui e tambacú). O local possui uma boa estrutura com bar e restaurante onde você pode saborear o peixe feito na hora. O Pesque e Pague Saracura está situado na GUR-21, saindo pelo BR-242 e entrando no trevo da Larguinha, distante cerca de oito quilômetros da cidade. Lá existem também vários tanques abastecidos com peixes que você pode pescar e pagar o peso pescado.

Pela TO-280, cerca de 10 quilômetros de Gurupi, a equipe encontrou o Recanto Turístico. É uma represa artificial com cerca de 40 hectares e que possui uma estrutura de visitação turística em sua margem com bar, restaurante e sombreiros. Atualmente nos fins de semana é freqüentada por banhistas e praticantes de Jetsky. O local possui uma bela paisagem.

AS MATAS DE GURUPI
Gurupi ainda possui uma imensa variedade de vegetação, apesar do grande desmatamento que foi realizado na região nas décadas passadas. É o que constatou a equipe técnica em suas visitas. Ainda existem muitas reservas da mata nativa e do cerrado que cobrem o território gurupiense.

Gurupi possuía uma das maiores matas fechadas da região. Grande parte destas matas foi derrubada para pastagens de gado. Atualmente começam a ser abertas lavouras para o plantio de cana para a produção de etanol, mas é ainda é possível conhecer algumas reservas intactas. Na TO-280 na altura do Jaó Leilões, cerca de 10 quilômetros da cidade, existem cerca de 200 hectares de mata intacta onde se abrigam inúmeras espécies de animais silvestres como tatus, veados e macacos. O local é preservado pelos proprietários, mas há uma forte agressão por parte de caçadores. A proximidade com a cidade e a falta de guarda florestal facilita a degradação da mata. Com autorização dos donos é possível explorar a mata através de trilhas internas, mas é preciso conhecimento e experiência neste tipo de visitação.

Saindo pela GUR-21 que passa pelo Assentamento Vale Verde é possível conhecer ainda muitas reservas da mata nativa do Gurupi, como era chamada. Vários córregos cortam a região e é uma boa pedida para fazer um passeio de fim de semana.
Estas reservas ainda estão sendo levantadas pela equipe técnica e para algumas delas será proposta a transformação em Áreas Permanente de Preservação Ambiental.

SERRAS
E se você pensa que Gurupi não possui montanhas, se enganou. Tem a Serra de Santo Antônio, situada em quase sua totalidade em território gurupiense. Ela se encontra a oeste da cidade. Do ponto mais alto de Gurupi, após o setor Sol Nascente, dá para visualizar a Serra a oeste e ao longe.

Uma vegetação exuberante cobre a Serra. Nos meses de agosto e setembro é muito grande a oferta de caju do campo, mangaba, pequi e outras frutas silvestres. Pequenos animais como raposa, cutia e tatu habitam a serra. O grande desafio são as queimadas nos meses de estiagem. A proposta é que se transforme toda a área da serra em APA – Área de Proteção Ambiental para poder preservar seu ecossistema. Alguns córregos nascem de suas entranhas, mas não foram encontradas cachoeiras de grande expressão. De qualquer forma, o local é propício para quem tem espírito de aventura e gosta da prática do montanhismo e exploração.

Um ponto que chamou atenção da equipe foi o morro situado no setor Vale do Sol, próximo ao setor aeroporto em Gurupi. De cima do morro é possível visualizar toda a cidade e a noite a visão é muito bonita. O local também é objeto de estudo para garantir áreas de futuras visitações públicas.

PARTICIPAÇÃO
Os pesquisadores estão registrando em fotografia as localidades aqui mencionadas. As atividades da equipe de trabalho desse tema no Plano Diretor continuam, e está com término previsto para o fim deste mês.

É muito importante saber que toda esta temática está sendo estudada e levantada para que se possa efetuar um planejamento adequado e que sirva de referência para os futuros gestores e para toda comunidade. Os nossos recursos naturais existem e devem ser explorados através de uma política de desenvolvimento sustentável.
A participação da comunidade nas oficinas e nas audiências públicas para elaboração do Plano Diretor, que irão ocorrer a partir do final deste mês, é muito importante para a elaboração de regras claras para o município.

Fonte: Jornal Cocktail, edição de 12/05/2007

HOMENAGEM A ADÃO FERREIRA



Com o apoio da Fundação Cultural de Gurupi, a Academia Gurupiense de Letras (AGL), promove neste sábado, dia 20, no Centro Cultural Mauro Cunha, o lançamento póstumo do livro "Acordei para a vida", de autoria do escritor, poeta e compositor Adão Ferreira, falecido no dia 1º de junho de 2006.

O lançamento do livro acontece às 20 horas é uma homenagem especial da Academia Gurupiense de Letras, onde ele ocupava a cadeira 14, e da Associação dos Compositores e Músicos de Gurupi, da qual foi um dos fundadores.

Adão Ferreira foi um dos autores do Hino Oficial de Gurupi e da cidade de Formoso. Foi vereador e presidente da Câmara Municipal de Gurupi e prefeito da cidade por três meses, após o falecimento do então prefeito Jacinto Nunes da Silva, em 1988.

Adão Ferreira era também autor do hino do Gurupi Esporte Clube.

O TEU OLHAR

O teu olhar é diferente
dos olhares que o meu já encontrou.
É um olhar muito atraente,
que de repente, me enfeitiçou.

O teu olhar tem mais vida,
mais brilho, beleza e cor.
O teu olhar, minha querida,
confesso, me conquistou.

Não, não sei explicar
o que se passa no teu olhar.
Só sei que me enche de emoção.

E quando estás me olhando
eu vou me controlando,
dizendo: agüenta coração!






PRISIONEIRO DO FUMO





Ele pode não saber...
Mas está numa prisão.
Busca no fumo um prazer
Que leva à desilusão!

Pelo vício aprisionado
O fumante, sem saída,
Será um pobre coitado
Dando fim à própria vida.

Quer livrar-se da prisão
Que em fumo se transformou?...
Escute a voz da razão
Que você nunca escutou:

Procure a vida saudável;
Busque sempre o certo rumo;
Seja em si mais agradável
Ficando longe... de mim, ou do fumo!

PROJETO DO SESC LER HOMENAGEIA POETA DE GURUPI

O poeta e jornalista Zacarias Martins, colunista do jornal Cocktail, recebeu uma singela homenagem do Sesc Ler na noite de sexta-feira (1º), quando aconteceu a solenidade de encerramento do projeto " Sala de Leitura: motivando a leitura através de poemas", onde os alunos da EJA ( Educação de Jovens e Adultos) desenvolveram várias atividades que estimularam a hábito da leitura e a produção textual.

Sob a coordenação da pedagoga Betânia da Silva Alves, o projeto contou ainda com a participação das professoras Cleúbia do Vale Costa e Geovana Dias Machado, sendo que a iniciativa surgiu da necessidade de se colocar os alunos e a comunidade em contato direto com uma boa leitura para que possam alargar os horizontes da mente de maneira interessante e prazerosa.

"Como estávamos desenvolvendo um trabalho voltado para a cultura local, nada melhor do que enriquecermos ainda mais nosso trabalho através de um projeto na biblioteca, voltado para um autor cujo destaque é visível em nossa cidade, sendo assim selecionamos poemas significativos do poeta e jornalista Zacarias Martins, inserido no seu livro "Pinga-Fogo" e ministramos as oficinas de releitura através de desenhos e escrita", explica a professora Betânia, ressaltando que o projeto vem sendo desenvolvido há dois meses, onde juntamente com as outras professoras trabalhamos individualmente com as turmas.

No primeiro momento foi feita a apresentação do tema e biografia do poeta Zacarias Martins que foram estudados pelos alunos. Em seguida, foi feita a apresentação de poemas para os alunos lerem e logo após fazer a releitura através de desenhos e o próximo passo foi o desenvolvimento da releitura através da escrita.

No encerramento do projeto aconteceu uma palestra motivacional de leitura comandada por Zacarias Martins, tendo ainda a animação Ana Aires – a Bibi, coordenadora da Biblioteca Municipal Professora Deusina, além de recital de poemas produzidos pelos alunos, e exposição de todo material que foram confeccionados durante o projeto
________________________________________________
Publicado no Jornal Cocktail, edição do dia 02/06/2007 - Gurupi - TO.

PALACINHO GANHA JARDIM POÉTICO

Com o objetivo de proporcionar ao visitante um contato com a poesia e os mistérios manisfestados em todas as coisas, a Gerência de Literatura da Fundação Cultural do Tocantins (FCT), instala hoje, às 16 horas, a primeira edição do projeto Jardim da Poesia, na área externa do Museu Histórico do Tocantins - Palacinho, cujos poemas, nesta primeira edição, ficarão expostos até o dia 21 de julho.

O gerente de Literatura da FCT, Osmar Casagrande explica que serão 14 poemas de diferentes poetas tocantinenses, como Gilson Cavalcante, Gil Correa, Izabel Dias Neves, José Gomes Sobrinho, Zacarias Martins, J. J. Leandro, Edson Gallo. As poesias foram ilustradas por artistas plásticos palmenses, entre eles, Gero, Lopes, Marina Boaventura, Claudia Mantovani e Marta Magallhães.

Casagrande diz que pretende combinar para que a cada 15 dias um escritor esteja presente no Palacinho para conversar com os visitantes do Jardim da Poesia. “Posteriormente, nossa intenção é abrir o espaço para as outras artes, uma vez que a poesia manifesta em todas as coisas”, adianta.

O projeto Jardim da Poesia consiste em uma instalação poética(literária e artística) que visa ser uma vitrine das obras produzidasno Estado. Após o término desta primeira edição, terão inícioexposições de novos trabalhos. Podem participar artistas de todo o Estado.

Os poetas interessados em expor dentro do projeto, bem como os ilustradores que queiram participar das próximas edições, poderão contatar a Gerência de Literatura da FCT, através do endereço eletrônico osmar.casagrande

POETAS QUE PARTICIPAM DESTA EDIÇÃO:
Angélica Mendonça- Palmas
Célio Pedreira- Porto Nacional
Edson Gallo- Araguaína
Eduardo Silva De Almeida- Palmas
Fidêncio Bogo- Palmas
Gil Correia- Gurupi
Gilson Cavalcante- Palmas
Isabel Dias Neves- Palmas
JJ Leandro- Araguaína
José Gomes Sobrinho
Kaio Fábio Azevedo Diniz- Araguaína
Osmar Casagrande- Palmas
Ronaldo Teixeira- Gurupi
Zacarais Martins- Gurupi

ILUSTRADORES:
Antonio Netto- Palmas
Cláudia Mantovani- Palmas
Costandrade- Palmas
Gero- Palmas
Geovar- Palmas
Gabriel- Palmas
Lopes- Palmas
Luciane De Bortoli- Palmas
Marina Boaventura- Palmas
Marta Magalhães- Palmas
Pierre De Freitas- Palmas
Ronimar- Palmas


Fonte: Lenna Borges/Jornal do Tocantins - Palmas - (20/06/2007) www.jornaldotocantins.com.br

terça-feira, 19 de junho de 2007

Blog do poeta e jornalista Zacarias Martins

Perfil

Paraense, de Belém, mas tocantinense de coração, Zacarias Martins reside em Gurupi, no Sul do Estado de Tocantins, desde 1983. Tem publicado seis livros de poesia: Transas do Coração (1978), O Poeta de Belém (1979), Poetar (1980), O Profeta da Felicidade (1984) Vox Versus (1986) e Pinga-Fogo (2004). Em 2008, publicou o seu primeiro livro de crônicas "Histórias da História de Gurupi". Participa com trabalhos em várias antologias literárias.


Militante no jornalismo, foi editor de Perfil (a primeira revista informativa do Tocantins - 1989) e correspondente de vários jornais, entre os quais, O Progresso (Araguaína - TO), Diário Tocantinense (Palmas - TO), O Jornal (Palmas), Cinco de Outubro (Goiânia-GO). Em Gurupi (TO), foi repórter da Folha do Tocantins, Gazeta Esportiva do Tocantins e A Notícia. É articulista do jornal Cocktail (de Gurupi), tendo participado de sua fundação em 1990 e até hoje mantém a coluna semanal Pinga-Fogo. Também foi editor do jornal Gazeta Araguaia (de Formoso do Araguaia - TO) e Assessor de Comunicação da Prefeitura Municipal de Gurupi. Atualmente é diretor da Regional Sul da Associação Tocantinense de Imprensa, Secretário-Executivo da Associação Tocantinense de Crônistas Esportivos e Assessor de Imprensa do Hospital Regional de Gurupi.

Integrou o primeiro colegiado do Conselho Estadual de Cultura de Tocantins (1989-1990). Em 1989 também participou da fundação da Academia Tocantinense de Letras, onde ocupa a Cadeira de nº 21. Na Associação de Artes de Gurupi, exerceu vários cargos na diretoria, sendo hoje (2008) Secretário-Executivo da Instituição. Também integrou o primeiro colegiado do Conselho Municipal de Cultura de Gurupi, sendo o eleito seu primeiro presidente (1999-2000). Ajudou a fundar a Academia Gurupiense de Letras, da qual é Secretário-Executivo e ocupa a cadeira de nº 12.


E-mail: zacamartins@gmail.com
Caixa Postal 35
CEP: 77402-970 - Gurupi - TO

QUESTÃO DE FELICIDADE

Procura-se a felicidade
para destrancar as portas
dos corações desesperançados.

Procura-se a felicidade
para entrega-la gratuitamente àquelas pessoas
que acreditamque podem simplesmente
comprá-laa qualquer preço.

Procura-se a felicidade
para adoçar os lábios dos sorrisos amargos
e dar mais sentido a arte de viver.

Procura-se a felicidade
para leva-la principalmente,
para quem não acredita mais na sua existência.

Procura-se a felicidade...

Não, não procure mais.
Apenas deixe que ela faça parte de sua vida...

Não fuja dela.
E,se acaso você não acreditar
que a felicidade existe,não tem problema:
procure ser feliz sem ela.